Seminário de Vinhais(1)

Seminário de Vinhais (1)


Falar sobre o Seminário de Vinhais é um prazer para mim pois foi lá que comecei a minha vida de estudante. Foi no longínquo ano de 1961 que ali dei entrada, depois de uma viagem de camioneta com início em Bragança, junto à estação dos caminhos-de-ferro.

Recordo esse dia como se fosse hoje. Tinha pouco mais de 10 anos e era a primeira vez que iria estar ausente de todos os que me eram queridos, os meus pais e os meus irmãos. Esse dia foi o primeiro de muitos outros que muito me custaram a passar, pois só no Natal é que os iria ver de novo. Como muitos outros colegas de seminário, derramei muitas lágrimas escondido de tudo e de todos. Só quem passou por este tipo de provação é que pode avaliar o que ia na alma de cada um dos que ali estávamos a iniciar aquilo que seria o nosso futuro. Recordo, até com saudade, muitos daqueles que foram os meus primeiros colegas de estudo.

A vida no seminário era muito difícil devido, em especial, às regras de conduta impostas ao funcionamento diário da instituição. No entanto, para mim isso nunca foi problema. Devo até dizer que os dois anos que ali passei, mais os dois que passei em Bragança, permitiram-me adquirir regras de comportamento e de atitude perante a vida que me foram muito úteis enquanto decorreram os meus estudos e, mesmo, na minha vida profissional. Estou certo de que o mesmo aconteceu com muitos dos que ali passaram os primeiros anos da sua vida escolar. A criação, pelos antigos alunos, da associação dos Amigos do Seminário de Vinhais, onde são dadas notícias sobre o passado e onde são projetadas ideias para o futuro de todos os que por lá passaram, é um indicador seguro de que muito de bom ficou dos anos que ali passámos.

O contacto com a natureza fazia parte do dia-a-dia ali vivido. Como acontece com muitas destas instituições, há muito quem lhes doe os seus bens. Assim, envolvendo o seminário, havia uma quinta onde, além dos produtos agrícolas que ali se produziam, permitia-nos um contacto diário com a natureza. Recordo a junta de bois que puxavam o carro, a charrua ou o arado, guiados pelo criado apoiado pela aguilhada com o respetivo aguilhão na extremidade.
Os passeios ao fim de semana para Rio de Fornos, para a ponte sobre o Rio Tuela e tantos outros locais, davam uma sensação de liberdade que muito contribuía para que o tempo fosse passando. O aproximar das férias trazia sempre uma excitação extra. Alguns dias antes era necessário preparar a viajem. Como os tempos mudaram. Ao tempo, isso constituía uma tarefa muito complicada. Talvez fosse o mesmo que hoje organizar uma viagem de férias ao Brasil. Eram normalmente feitas de táxi e de noite, para fugir à polícia pois a lotação do táxi era sempre excedida. Muitas vezes em cada táxi, seguíamos sete rapazes ou mais. Eram, no entanto, muito divertidas e muito agitadas.
O Seminário, como o conhecemos atualmente, nasceu aos 15 dias do mês de Novembro de 1920. No discurso comemorativo das Bodas de Ouro da sua fundação, Monsenhor Manuel Jerónimo Pires disse, entre outras coisas “O contrato de arrendamento do Convento [de S. Francisco], cerca contígua e outras propriedades, por cinco anos consecutivos, pela renda anual de 300$00, pagos em moeda corrente no país – podendo o arrendatário prorrogá-lo por um, ou mais de cinco anos, mas nunca por quantia de renda superior a 1.800$00 – foi realizado nesta vila [Vinhais], no cartório do notário David Augusto Ferreira Machado, sendo primeiros outorgantes o Senhor Francisco Mendes Alçada, D. Inês da Costa, esposa, a Senhora D. Inês da Costa Alçada, e segundo outorgante o Senhor Cónego João Machado da Costa. Foram testemunhas Adelino Augusto Rodrigues e Fernando Rodrigo de Almendra Dias. Estava posto um dos elementos essenciais à vida do Seminário, o necessário espaço vital”.

Publicado no Notícias de Vila Real.

Manuel Cordeiro

Partilhar

Por favor aguarde...
Total de Visitas da Página: 21
Total de Visitas do Website: 221334

sem comentários

Deixe um comentário