ManuelCordeiro.net

Switch to desktop Register Login

Missionários Transmontanos em Timor(1)

 

Padre Afonso e outros

O Padre Francisco Afonso, nasceu em 7 de Novembro de 1910 na aldeia de Remondes, concelho de Mogadouro. Estudou no Seminário de Macau, sendo ordenado sacerdote em 13 de Julho de 1935, na igreja de São Domingos. De imediato partiu para Timor onde chegou a 4 de Setembro desse ano. As qualidades intelectuais que, desde muito cedo, se manifestaram no seu dia a dia, proporcionaram-lhe uma vida missionária de destaque, pois ocupou vários cargos eclesiásticos. Começou pelo de vigário cooperador da missão de Hatolia, onde as suas qualidades intelectuais e de missionação vieram ao de cima, pelo que não admira que fosse nomeado Superior das Missões de Baucau, Ossu e Maliana. Nesta última ainda hoje se sente a sua estadia. Fez várias construções de apoio às missões, como uma residência e vários pavilhões para instalar o Colégio Infante de Sagres onde muitos timorenses estudaram. Entre eles encontra-se o porteiro da embaixada portuguesa, que sempre cumprimento com muito carinho quando ali vou.

Mais tarde foi nomeado Procurador das Missões e dos Missionários em Díli, tendo-lhe sido atribuída a superintendência da cerâmica da Diocese, em Fatu-Metan, nos arredores de Díli.. Foi Vogal do Conselho da Província e integrou muitos júris de selecção de funcionários do Quadro Administrativo de Timor, na qualidade de examinador de Tétum, língua que falava com perfeição. Regressou à sua terra natal onde foi pároco. Faleceu no dia 21 de Março de 1992.

Trás-os-Montes pode orgulhar-se dos seus naturais. Sempre que solicitados a ajudar os que mais precisam e a dar-lhes cultura, responderam presente. A nível de missionários em Timor, sem dúvida que esse facto é claro. O Padre Norberto Parada, nascido em 28 de Abril de 1911, em Freixo de Espada à Cinta, ali chegou em Setembro de 1935, vindo de Macau, onde foi ordenado sacerdote. Passados três anos foi enviado para Ossu, com o Padre Ezequiel, onde iniciaram uma nova Missão. Mais tarde seguiu para Oecussi como vigário cooperador e depois como Superior. Aqui, além das suas actividades de sacerdócio, leccionou aulas a várias classes da escola local. Aquando da ocupação do enclave pelos japoneses, na 2ª Guerra Mundial, esteve num campo de concentração de onde saiu após a retirada destas tropas. Ali continuou por muitos anos e em 1972 já levava cerca de 37 anos em Timor.

Em 1960, ano das suas bodas de prata sacerdotais, o jornal A Seara escrevia, entre outras coisas: se um dia se vier a escrever a história contemporânea das Missões de Timor, o capítulo que se reservar a este zeloso missionário terá, para não perder a sua sadia frescura, que ser necessariamente de fundo episódico, profusamente iluminado com tonalidades doiradas de um sol inocentemente gargalhante e intitulado “História alegre de um apostolado missionário”.

Vindo de Bragança, com passagem por Macau, chegou a Timor em 1894 o Padre Jacinto Bernardino, nascido em 1869, depois de ter estudado no Seminário das Missões em Cernache do Bonjardim.