ManuelCordeiro.net

Switch to desktop Register Login

São Francisco de Assis

 

"Faça o necessário, depois o possível e, de repente, você estará fazendo o impossível."

 

São Francisco de Assis nasceu entre os anos de 1181 e 1182, na cidade de Assis, Itália. Seu pai, um rico comerciante de tecidos, frequentemente viajava para a França, de onde trazia a maior parte de suas mercadorias. E foi em homenagem ao país que seu pai  lhe deu o nome  de Francisco.

Francisco, jovem e rico, era alegre e aproveitava as noites e as festas, estando sempre presente em banquetes e serenatas pela cidade.

Em 1201, Francisco partiu para uma guerra na cidade de Perúsia, encorajado pelo pai e pelo desejo do jovem de obter fama e mais dinheiro. Porém, a guerra não saiu muito bem como planejado por Francisco. Foi tomado como prisioneiro e assim permaneceu por meses, até conseguir sua libertação.

Ao voltar para casa, Francisco é acometido pela fraqueza, provavelmente conseqüência dos tempos de prisão. E é a partir desse momento que Francisco passa a sentir-se e também a agir de maneira diferente.

Rejeita o dinheiro e as coisas mundanas, que antes o apraziam. Volta-se para a oração e para ajudar os pobres e leprosos. Uma famosa passagem de sua vida, inclusive, conta que beijou um leproso, em sinal de amizade, que antes lhe causava repúdio.

Entrou em conflito direto com pai, quando vendeu todas as suas mercadorias para dar dinheiro aos pobres e comprar material de construção, para completar a reforma de uma igrejinha.
Esses conflitos desencadearam na fúria do pai de Francisco, que o deserdou.

Muito jovem, aos 25 anos, Francisco aceita a decisão do pai e renuncia definitivamente os bens paternos. Entrou de vez para a vida religiosa, fundando a Ordem dos Frades Menores e a Ordem Terceira.

Foi em 1224 que Francisco recebeu os estigmas de Jesus crucificado em seu próprio corpo, dois anos antes de sua morte.

São Francisco de Assis foi canonizado pelo papa Gregório 9º em 1228.

Fonte: http://pensador.uol.com.br/autor/sao_francisco_de_assis/biografia

Atualizado em 17-02-2012

Visitas: 1208

Manuel de Oliveira, Realizador de Cinema

 

Manuel de Oliveira, Realizador de Cinema

 

"O cinema só trata daquilo que existe, não daquilo que poderia existir. Mesmo quando mostra fantasia, o cinema agarra-se a coisas concretas. O realizador não é criador, é criatura"

 

Nasceu no Porto a 11 de Dezembro de 1908.

Foram Charles Chaplin e Max Linder que nele despertaram nele o gosto pelo cinema. Fez os primeiros estudos no Colégio Universal do Porto e, posteriormente, no Colégio Jesuíta de La Guardia, Galiza.

Ganhou notoriedade como desportista na ginástica, natação, atletismo e automobilismo tendo, nesta modalidade, competido no circuito automóvel de Vila Real.

Aos vinte anos inscreveu-se na Escola de Actores de Cinema, fundada por Raul Lupo, participando com o irmão, Casimiro de Oliveira, como figurante no filme Fátima Milagrosa (1928). Em 1931 filmou Douro, Faina Fluvial cuja estreia, a 21 de Setembro de 1931, no V Congresso Internacional da Crítica, despertou violentas reacções dos críticos nacionais e rasgados elogios dos estrangeiros.

Fez até hoje cerca de 50 filmes.

Recebeu o Doutoramento Honoris Causa da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro no dia 8 de Fevereiro de 2012.

 

Manuel Cordeiro

Atualizado em 09-02-2012

Visitas: 1210

Marlon Brando

 

 

"Um excesso de êxito pode arruinar um homem tão irremediavelmente quanto um excesso de fracasso."

 

Descendente de imigrantes irlandeses, Marlon Brando era o filho mais novo de Marlon Brando Sr., um vendedor de carbonato de cálcio, e de Dorothy Pennebaker, professora de teatro.

Chegou a frequentar a Academia Militar, em Shattuck, mas teve problemas num dos joelhos, ao jogar futebol, e acabou por ser expulso por indisciplina. Em 1943, decidiu ir para Nova York, onde se matriculou num curso de teatro. Estreou-se na Broadway no ano seguinte, com a peça "I Remember Mama", que foi um grande sucesso. Como um jovem ator da Broadway, Brando recebeu vários convites para fazer testes para o cinema, mas preferiu continuar em Nova York. O seu maior sucesso no teatro foi com a peça de Tennessee Williams, "Um Comboio Chamado Desejo".

Em 1950 estreou-se em Hollywood no papel principal do filme de Fred Zinnemann, "The Man", ao lado de Teresa Wright. Na ocasião foi indicado ao Oscar de Melhor Ator, tendo perdido a estatueta para Humphrey Bogart.

A partir daí, Brando acumulou sucesso após sucesso, sendo oito vezes indicado ao Oscar de Melhor Ator, e agraciado com duas estatuetas pelos seus trabalhos em "Sindicato de Ladrões", de Elia Kazan, e "O Poderoso Chefão", de Francis Ford Coppola.

Em 11 de Outubro de 1957, casou com a atriz Anna Kashfi, de quem se divorciou.

Marlon Brando é considerado o maior ator de cinema de todos os tempos, rivalizado apenas por Laurence Olivier. Ao contrário deste último, que preferiu dedicar-se mais ao teatro, Brando concentrou o seu talento no cinema, após sua ligeira passagem pelos palcos da Broadway.

 

Atualizado em 10-01-2012

Visitas: 1244

Thomas Jefferson

 

 

Thomas Jefferson

“O talento mais valioso é nunca usar duas palavras quando uma basta”

Foi o 3.º Presidente dos Estados Unidos da América, a quem se deve a redação da Declaração de Independência.Nasceu em Shadwell, Virgínia, em 13 de Abril de 1743 e morreu em Monticello, Virgínia, em 4 de Julho de 1826.

Filho de Peter Jefferson, topógrafo e cartógrafo auto-didacta, que cedo se estabeleceu no que viria a tornar-se a região de Albemarle, na colónia britânica da Virgínia, e de Jane Randolph que descendia de boas famílias de Inglaterra e da Escócia, o que assegurou uma posição social importante na colónia aos Jefferson, pai e filho. Peter Jefferson constituiu um património assinalável, que incluía vastos terrenos agrícolas e escravos para os trabalhar, tendo-o transmitido na sua quase totalidade ao filho Thomas.

Jefferson começou a sua educação numa escola paroquial, tendo sido enviado aos 17 anos para o Colégio «William and Mary» em Williamsburg, capital da colónia, tendo-se licenciado em Direito

Começou a vida política em 1769 quando os pequenos proprietários de Albermarle o elegeram para a Câmara dos Burgueses. Em princípios de 1772 casou com Martha Wayles Skelton, uma jovem viúva de 22 anos, bonita e abastada. O casamento durou 10 anos, até à morte dela, tendo havido 6 filhos do matrimónio. Só duas filhas ultrapassaram a infância, e só a mais velha, Marta, sobreviveu ao pai. Thomas Jefferson não voltou a casar. 

Escreveu, com John Dickinson, a Declaration of the Causes & Necessity for Taking Up Arms. Em 11 de Junho de 1776, é eleito para a comissão de cinco pessoas encarregues pelo Congresso Continental de preparar uma declaração de independência, que inclui duas personagens com mais peso político que ele - Benjamin Franklin e John Adams.

Jefferson regressou à Virgínia em Setembro de 1776 com planos concretos de reformar o antigo estado das coisas. Como tinha sido proposto pelo Congresso Continental, tinha sido adoptada uma Constituição, mas que era bem menos democrática do que a que ele tinha redigido ainda em Filadélfia e que tinha enviado para a capital da colónia.

Aceitem um abraço do,

Manuel Cordeiro

Fonte: Wikipedia

Atualizado em 25-01-2012

Visitas: 1194

Abílio Guerra Junqueiro

 

 

"Toda a alegria vem do amor, e todo o amor inclui o sofrimento".

 

Abílio Manuel Guerra Junqueiro nasceu em Freixo de Espada à Cinta, em 1850.

Era filho de Ana Maria Guerra e de José António Junqueiro. Pela parte materna era neto de Francisca Sanches Massa, de Freixo e bisneto de Francisca Sanches, de Mazouco e de Bento Fernandes Massa, de Freixo.

Filho de pais ricos e rigorosos seguidores da fé católica, Guerra Junqueiro frequentou a Faculdade de Teologia, entre 1866 e 1868. Mas, largou a ideia de ser padre e se dedicou ao Direito, indo estudar na Universidade de Coimbra, onde se formou em 1873.

Foi a partir dessa época que passou a frequentar o círculo dos políticos e intelectuais da cidade. Foi em 1866, que publicou o seu primeiro livro “Mysticae nuptiae”, a que se seguiu  “A morte de D. João“, em 1874. No ano seguinte, começou a colaborar na revista Lanterna Mágica e publicou sua obra mais conhecida, “A velhice do Padre Eterno".
Foi secretário dos governos de Angra e Viana. Era filiado no Partido Progressista, monárquico, que estava na oposição de 1879, tendo sido deputado pelo círculo de Quelimane, Moçambique em 1880.  

Atualizado em 12-12-2011

Visitas: 1244